Brasil Ride

Jaqueline Mourão, campeã brasileira de XCO, segue fazendo história na Brasil Ride

on

Jaqueline e Cindy, mais uma vitória (Fabio Piva / Brasil Ride)

Na disputa entre as mulheres do 2º dia do Brasil Ride, o triunfo novamente foi da dupla formada entre a atual campeã brasileira Jaqueline Mourão e a canadense Cindy Montambault, Jacky & Cindy. Porém, desta vez, a diferença para a segunda colocação foi pequena. Apenas 11 segundos para as donas da camisa de melhor equipe das Américas, Viviane Favery e Marcella Toldi, da Cannondale Brasil Women, que completaram em 6h11min41seg. O top 3 do dia teve ainda as espanholas Sandra Santaynes e Anna Ramirez.

“O dia foi de muita chance e também muito trânsito durante as trilhas do single track do Avatar. Em determinado momento as meninas da Cannondale Brasil Racing chegaram em nós e acordamos. Deu para ver que a prova será bem disputada daqui para frente”, avaliou Jaqueline. “Me sinto exausta. Iniciamos muito forte e depois decaímos. Trabalhamos forte como equipe e o vento era forte no final, o que nos fez gastar energia demais. Alternamos a posição entre nós duas, para recuperar, mas foi difícil demais. Lama demais no começo e chuva no final”, contou Cindy.

Se na disputa pela geral da elite feminina a diferença é de apenas 3min02seg entre Mourão/Montambaul e Favery/Toldi, nas Américas a dupla brasileira tem mais folga, com mais de 40 minutos para a dupla quarta colocada no geral, Paula Gallan e Franciele de Almeida. “Neste momento a Camisa Verde, de melhor das Américas, é mais real para nós, porque a Camisa Laranja tem duas rainhas com elas, com perfil de atleta de nível mundial. Você ataca elas, mas elas respondem em alto nível e seguram até o fim, sem entregar. Vai ser uma disputa legal, porém temos o pé no chão”, disse Marcella Toldi.

“A etapa foi sensacional, um dia para não esquecer. Demos tudo que tínhamos, porém sem exceder limites. No começo as trilhas me favoreciam, por conta do meu estilo de cross country. Depois nos estradões a Marcella botou um ritmo surreal, quando estávamos só nós duas. Administramos, mas quando vimos estávamos juntas da Jacky e Cindy. Chegamos a ultrapassá-las, mas elas têm muita experiência e recuperaram”, destacou Viviane Favery.

Jaqueline Mourão ficou com a vitória no Prólogo (Wladimir Togumi / Brasil Ride)

Terceira etapa – Terceira etapa parte da cidade de Guaratinga e muda bastante em termos de paisagem. Muitas pedras, ainda no piso de terra, mas pedras como a do Corcovado. Um cenário pitoresco e diferente, passando pela lateral das pedras. Metade do percurso é single track (trilhas estreitas) e na outra estradões de terra. Subidas curtas, porém bem íngremes. Trechos de fazenda de cacau, que não estão mais em operação.

Top 5 após duas etapas:

Feminino:
1-Jaqueline Mourão (BRA) / Cindy Montambault (CAN) – 7h18min26seg
2-Viviane Favery (BRA) / Marcella Toldi (BRA) – 7h21min28seg
3-Sandra Santanyes (ESP) / Anna Ramirez (ESP) – 7h51min37seg
4-Paula Gallan (BRA) / Franciele Almeida (BRA) – 8h04min57seg
5-Cristiane Pereira (BRA) / Eliana Pinheiro (BRA) – 8h11min22seg

As etapas restantes da Brasil Ride 2018:
Etapa 3 – Guaratinga – 77,4 km e 2.106 m de altimetria
Etapa 4 – Guaratinga – 101 km e 2.665 m de altimetria
Etapa 5 – Guaratinga para Arraial d’Ajuda – 140 km e 2.336 m de altimetria
Etapa 6 – Arraial d’Ajuda – 32,4 km e 664 m de altimetria
Etapa 7 – Arraial d’Ajuda – 43,8 km e 497 m de altimetria

Recommended for you

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Novo